Agronegócio

Projeto para produzir etanol a partir de resíduos do milho começa a ser implantado em MS

0
Projeto consistirá no trabalho de uma biorrefinaria de milho (Foto: Divulgação)

Com o objetivo de solucionar um problema recente na realidade brasileira de biocombustíveis, o ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa) e a Sinochem, estatal chinesa com empresas em diversos setores, deram início esta semana ao “Projeto ZEA2G – Desenvolvimento do Processo de Produção de Etanol 2G a Partir de Resíduos do Milho e Integração com a Produção de Etanol 1G”, que utilizará como matéria-prima os resíduos da produção de milho.

Na avaliação do diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialado, o evento reforça a importância de a instituição estar cada vez mais envolvida em parcerias para o desenvolvimento de projetos de inovação que atendam as empresas. “Entendemos que o início dessa parceria com a Sinochem indica que estamos alçando grandes voos em desafios, pesquisas e inovações, demonstrando o potencial do Senai com relação ao desenvolvimento de pesquisa e inovação e nossa capacidade para atendimento de empresas não só do Mato Grosso do Sul, como do Brasil e do mundo”, afirmou.

Segundo a diretora do ISI Biomassa, Carolina Andrade, o projeto consistirá no trabalho de uma biorrefinaria de milho. “É um projeto em parceria com a Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) que será distribuído em cinco etapas e deve ser entregue em um prazo de 12 meses. É um grande desafio, mas é também mais uma oportunidade para mobilizarmos mais pesquisadores e podermos fazer grandes contribuições para o setor de inovação e bioeconomia”, considerou.

O especialista em biocombustíveis e desenvolvedor de novos negócios da Sinochem Petróleo Brasil, João Monnerat, explicou que no Brasil sempre teve um paradigma de utilizar a cana-de-açúcar como matéria-prima principal para o etanol. “No entanto, devido às regionalidades, de dois anos para cá, começamos a observar que em algumas regiões, principalmente o Centro-Oeste, era muito mais interessante a utilização do milho, tanto do ponto de vista econômico, quanto ambiental. O milho é produzido na safrinha da soja e é difícil escoar para o litoral para ser exportado, então, é melhor gerar emprego e renda na região, que na maioria das vezes é deficitária em energia”, detalhou.

Ele acrescentou que a tecnologia do etanol do milho é bem estabelecida nos Estado Unidos, mas no Brasil é uma algo relativamente novo. “Estamos tentando trabalhar aqui a valorização dos coprodutos de etanol de milho e ganho de eficiência no processo. Pela Sinochem é muito importante porque estamos inseridos em toda a cadeia, com empresas tanto na área de agricultura como energia”, destacou.

Ainda conforme João Monnerat, a ideia do projeto é utilizar resíduos da produção do milho e valorizar os coprodutos da produção. “Nós produzimos farelo de milho e esse farelo pode ter um valor maior ou menor, de acordo com a forma como é tratado. Então estamos tratando da eficiência para gerar mais etanol como também para gerar mais valor para a empresa com um coproduto valioso”, finalizou.

Lei Kandir: presidente do Senado apoia cobrança de ICMS sobre exportações

Previous article

Comissão do Senado aprova projeto que altera cálculo de preços mínimos do agro

Next article

You may also like

More in Agronegócio

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *